MAST enriquece exposição do Observatório Nacional

Celebração pelos 190 anos do ON conta com acervos importantes fornecidos pelo Museu de Astronomia e Ciências Afins.

Foto: Joelson Moreira/ON

O Brasil dava seus primeiros passos como país independente quando Dom Pedro I determinou a criação do Observatório Nacional (ON), com o intuito de prestar serviços e constituir bases científicas para a Nação. E quase dois séculos após a fundação do Observatório, o Museu Histórico Nacional (MHN), abriu as suas portas para a exposição “Observatório Nacional  – 190 anos: uma viagem no tempo e no espaço“, que teve início em 23 de Novembro e se estenderá até o dia 25 de fevereiro de 2018. A escolha do local é uma volta às origens, já que o MHN foi a primeira sede do então Observatório Astronômico na Ladeira da Misericórdia, no extinto Morro do Castelo.

A mostra é resultado da parceria com o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), que disponibilizou alguns objetos que compõe seu acervo oriundo do ON, e contempla a história de diferentes áreas de pesquisa e atividades desenvolvidas pela instituição desde o século XIX. Para a exposição, além de fornecer objetos como barômetro, sextante, luneta e um marco geográfico e os textos de seus pesquisadores que abordam e enfatizam a rica história do ON. O Museu programou sessões do Planetário Inflável Digital e atividades de Observação do Sol, atrações que estão entre as que mais fazem sucesso no museu.

Foto: Joelson Moreira/ON

Heloisa Maria Bertol Domingues, diretora do MAST, participou da abertura da exposição e falou da importância e da satisfação do Museu em preservar arquivos de inúmeros cientistas, citando entre eles representativos diretores do ON, como Luiz Cruls, Henrique Morize e Lélio Gama. Todos importantes tanto para a história da ciência quanto para a do Brasil. A diretora enfatizou a parceria entre as instituições e o contentamento pela celebração da mostra: “É uma alegria poder comemorar os 190 anos da primeira instituição científica do Brasil independente. O MAST é filho dileto do ON”. As instituições não apenas dividem o mesmo conjunto arquitetônico e paisagístico e o acervo (tombado como patrimônio) e parte de suas instalações no Campus, mas compartilham também a história da ciência e da tecnologia, valorizando as práticas, a produção e a circulação do conhecimento.

A exposição apresenta os principais marcos institucionais ao longo da história do Observatório e também pesquisas feitas atualmente nas áreas de astronomia, geofísica e metrologia em tempo e frequência. O público que for ao Museu Histórico Nacional para visitação, poderá participar de atividades relacionadas à temática da mostra. A exposição conta também com o apoio do Instituto Nacional de Tecnologia, que fez o modelo tridimensional do asteróide Chariklo, um dos temas da mostra.

Comments

comments