MAST recebe visita do Diretor do INMA

Sergio Lucena, novo gestor do Instituto Nacional da Mata Atlântica, conheceu o trabalho de preservação e retomou Acordo de Cooperação Técnica e Científica

O novo diretor do Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA), Sergio Lucena Mendes, visitou o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) na última quinta-feira (29). Acompanhado do Diretor do Observatório Nacional, João dos Anjos, ele foi recebido pela diretora do MAST, Anelise Pacheco e pelo Coordenador da Documentação e Arquivo, Marcio Rangel. O encontro serviu para conhecimento do trabalho de preservação da memória científica e da história da ciência brasileira realizado pelo MAST, e para retomar o Acordo de Cooperação Técnica e Científica entre as instituições.

Sergio Lucena busca o apoio do MAST para realizar uma assessoria técnica de alta qualidade a ser aplicada no INMA. “A contribuição do MAST é fundamental para fazer o inventário do acervo de Augusto Ruschi, fundador do Museu de Biologia Prof. Mello Leitão, hoje incorporado ao INMA. Esse trabalho de levantamento do patrimônio dará andamento ao projeto de Preservação da Memória, com base nos acervos arquivístico, bibliográfico e museológico, além da ajuda nas questões da educação e divulgação científica”, revelou.

O Diretor do INMA conheceu o Laboratório de Conservação e Restauração de Documentos em Papel (LAPEL), e teve acesso ao trabalho de preservação do acervo do MAST. Ele elogiou a estrutura do local, que também permite o desenvolvimento de projetos de pesquisas. “Fiquei muito bem impressionado com o nível de especialização do Laboratório e com a qualificação técnica dos profissionais que nos receberam. O INMA guarda um acervo histórico e científico de grande valia pra as ciências biológicas brasileiras e a parceria com o MAST é fundamental para o tratamento e disponibilização desse material. Por outro lado, creio que é muito positiva a parceria entre diferentes institutos do Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI), criando uma sinergia muito benéfica para a ciência brasileira”, contou.

Sérgio Lucena recebeu no dia 28 de março o Prêmio “Faz Diferença”, iniciativa do Jornal O Globo em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). A premiação é o reconhecimento do talento de brasileiros que, nas mais diversas áreas de atuação, serviram de inspiração para o país e o mundo em 2017. Ele venceu na categoria Ciência e Saúde, por ter se destacado com o projeto “Sentinelas da Mata”, monitorando óbitos de macacos e mapeando a rota do vírus da febre amarela.

Comments

comments